quinta-feira, junho 29, 2006

Contatos Imediatos do Terceiro Grau - Capítulo 5

Um sintetizador Moog é tudo menos uma coisa simples. Ainda há poucos no mundo e são ainda menos as pessoas que sabem montá-lo, e menos, ainda, as que sabem o que fazer com ele, as que conhecem a sua capacidade, o seu potencial, os seus limites.
Por isso, quando veio a ordem de modificar o sintetizador que tinham construído para Stevie Wonder, dois anos antes, os jovens barbudos, de óculos e bigodes, que entendem desses misteriosos aparelhos, agiram com perplexa diligência.
Perplexa porque, evidentemente, Mr. Wonder estava emprestando ou dando o seu Moog a um grupo não conhecido anteriormente por seus interesses musicais. Mas, que diabos ? Que é que eles podiam fazer com um sintetizador Moog, que não pudessem fazer com um míssil balístico intercontinental de longo alcance e ogiva nuclear ?

Do livro Contatos Imediatos do Terceiro Grau, de Steven Spielberg, publicado no Brasil pela Editora Record, infelizmente hoje fora de catálogo. O meu eu consegui esta semana em um sêbo.

Adorei isso, pena que não tenha aparecido no filme ...

2 comentários:

Claudio Rosa disse...

Vou colocar este site na minha pasta "ToDo" dos favoritos do meu firefox, a qual leio todo o dia ...
hehehe
:-)

Ah, e prometo q vou manter o meu blog atualizado ...
:-D

mvfm disse...

O mais estranho é que no filme o sintetizador usado é um ARP 2500, da ARP Instruments, uma concorrente da Moog Music.
http://en.wikipedia.org/wiki/ARP_2500